Historial 2017-06-23T14:44:07+00:00

1978
No dia 28 de Dezembro de 1978, um grupo de cidadãos dirigiu-se ao Centro Recreativo de Estarreja, solicitando que a “Casa do Concelho de Estarreja”, pudesse ali reunir, com o intuito de criarem esta associação, vocacionada para a resolução das carências da habitação existentes no concelho.

A ASE surgiu na sequência da “Casa dos Pobres”, que dava sopa aos necessitados e levava alimentos às casas de idosos e pessoas com deficiência que não se podiam deslocar à cantina. Foi nestas deslocações que houve a percepção das condições miseráveis em que muita gente vivia, sobretudo na zona do Esteiro de Estarreja.

 

1979

– No dia 20 de Janeiro de 1979, em reunião de Direção, foi decidida a mudança de designação da associação, que passou a designar-se por ASE – Associação de Solidariedade Estarrejense.

– No dia 27 de Janeiro de 1979 foi celebrada a escritura pública de constituição da associação.

– Em Janeiro de 1979, António Lopes de Azevedo doou  um terreno na Brejinha para a construção de 6 casas destinadas a famílias carenciadas de habitação, bem como fez o donativo de 100 mil escudos (500 euros) para se dar inicio à construção, logo que o terreno estivesse em nome da Associação e fosse aprovado o respetivo projeto.

– Em Janeiro de 1979 começaram a ser elaborados os Estatutos e o Regulamento Interno, com o contributo do Dr. Tomaz Augusto Domingues de Oliveira e Silva.

– No mesmo mês, iniciaram-se os projetos para as primeiras casas da autoria do Eng.º Américo Rodrigues, em colaboração com o Eng. Fernando de Oliveira Lemos.

– No 3 de Fevereiro de 1979 foram então eleitos os primeiros Corpos Gerentes da ASE para o triénio de 1979/1981.

– Em Novembro de 1979, na sequência de um pedido feito pessoalmente pelo Presidente da Assembleia Geral à então Primeira-Ministra Maria de Lourdes Pintassilgo, o Ministério da Saúde e Assistência – Direção Geral de Assistência, remeteu à ASE um cheque 800.000$00 (4 mil euros), para auxiliar na construção das 6 habitações em curso iniciadas em Maio do mesmo ano e cuja inauguração haveria de acontecer no dia 11 de Dezembro.
A instituição dava, assim, o primeiro passo numa área em que se vem distinguindo até aos nossos dias: a habitação para os mais carenciados.

1980
– A ASE entrega à Câmara Municipal de Estarreja uma lista com as famílias mais carenciadas de habitação, para que estas tivessem a preferência na ocupação de algumas casas do Bairro Social da Teixugueira, recentemente construído.

1983
– ASE adquire cerca de 3.200 m2 de terrenos no lugar do Casalinho, Veiros, para aí construir habitações para famílias carenciadas.

1987
– Em 02 de Julho, a ASE adquire o Estatuto de Utilidade Pública.

1991
– Construção de duas habitações Tipo T2 na urbanização da Povoa de Baixo, em terreno cedido pela Câmara Municipal de Estarreja.

1995
– Entrega de uma habitação no lugar do Roxico, Fermelã, construída em terreno doado pela benemérita Maria Marques de Oliveira Baptista.

1998
– Aquisição de terreno junto ao Bairro da Brejinha, com a intenção de aí construir a sua Sede Social e um Centro Comunitário.

2000
– Aquisição ao IGAPHE um apartamento T4 no Bairro da Teixugueira.
– ASE recebe do benemérito Júlio Ribeiro Tavares um terreno em Avanca, para aí implantar uma casa pré-fabricada, destinada um casal carenciado de habitação.
– Em 21 de Novembro é atribuído à ASE o Estatuto de I.P.S.S. – Instituição Particular de Solidariedade Social.

 

Entre 1995 e 2001

Recuperação de 136 casas degradadas, ao abrigo do Programa INOVAR ESTARREJA,criado pela Câmara de Estarreja, na altura presidida por Vladimiro Silva. A chefia desse projeto foi entregue a Alberto Vidal (também presidente da ASE) que, através de um trabalho conjunto com o sector da autarquia liderado pelo então vereador Fernando Mendonça, possibilitou a realização das obras de recuperação com 50 mil contos (cerca de 250 mil euros) previstos, aproveitando a mão-de-obra que era fornecida pelas famílias beneficiadas.

 

2001

– Celebração de acordo de cooperação com o Centro Distrital de Segurança Social de Aveiro, com implementação de um Gabinete de Atendimento e Acompanhamento Social para as freguesias de Beduído e Salreu, que tem como principais prioridades: a promoção dos direitos dos indivíduos/famílias: a promoção de inserção na vida ativa à comunidade mais desfavorecida; facilitar o acesso dos indivíduos/famílias aos serviços/respostas existentes no meio; aumentar a auto-estima dos indivíduos/famílias e promover a sua autonomia e inserção na sociedade. Com a criação deste gabinete pretende-se o atendimento/acompanhamento dos processos de Rendimento Social de Inserção (RSI) e Ação Social, promovendo sempre a inserção destes, nas áreas de: Saúde; Educação; Emprego/Formação Profissional; Habitação e Ação Social.

2002
– A ASE passa integrar a rede do Banco Alimentar Contra a Fome, por intermédio da Segurança Social de Aveiro

2003
– Construção de uma habitação T4 na urbanização da Povoa de baixo, no Lote nº 122, doado pela Fábrica da Igreja da Paróquia de Beduído e Diocese de Aveiro.

2004
– Conclusão da autoconstrução de casa em Santo Amaro, Beduído.
– Adaptação da casa nº 6 do Bairro da Brejinha, para alojamento temporário de pessoas sem-abrigo.
– Eletrificação de casa situada na Rua da Areia, em Veiros, e colaboração com o Centro Paroquial de Santa Marinha de Avanca na construção da habitação no Lugar da Peneda, Avanca.
– Elaboração do projeto para a construção da Sede Social da ASE e Centro Comunitário.

2005
– O Estado Português, através do IGAPHE, cede gratuitamente à ASE, a propriedade de 74 Apartamentos e 20 em regime de propriedade resolúvel, no Bairro Social da Teixugueira.
– Recuperação de habitação na Rua Dr. Guilherme Souto, em Estarreja.

-Aquisição e recuperação da casa da família de Isidro Teodoro Ruela Nunes Pinho, na Rua da Capela de S. Joaquim, em Santiais.

– Construção de casa Pré-Fabricada para a Família de Clarinda da Silva Rodrigues, no Lugar de Vale da Mó, Salreu.

– Início da construção dos jardins da Teixugueira, de forma a torna-los um espaço limpo,  acolhedor e livre de aninais roedores.

2006
– A ASE recebe um terreno urbano, no lugar do Campo, Santiais, doado pela sócia honorária Maria Alice Almeida Marques Bailas.
– Construção do Jardim de Água e Parque Infantil na urbanização da Teixugueira.

– O parque infantil foi construído com o apoio da PACOPAR para ser preferencialmente utilizado pelas crianças da urbanização.
– Criação da Comissão de Apoio à Direção, composta pelos sócios Duarte Drummond Esmeraldo, Ângelo Marques de Assunção, Manuel da Silva Nunes e António Fernando dos Reis Pinto.
– A ASE passa a integrar a “Rede Social” do município.

2007
– Entrega de duas casas no Lugar da Breja, Avanca, construídas num terreno da Associação, com o apoio da Junta de Freguesia de Avanca.

2008
– Entrega da casa nº 2 em Santiais a uma família carenciada e aquisição de terreno contíguo, através de comparticipação do PACOPAR.
– Construção de armazém para recolha de materiais excedentários de várias obras e ajuda na auto-construção de duas casas.
– ASE passa a integrar o Núcleo Executivo da Rede Social de Estarreja

2009
– PACOPAR atribui subsídio de 25 mil euros, destinado ao Projecto de Reabilitação da Urbanização da Teixugueira, na sequência de candidatura apresentada.
– Construção duma casa sita na Rua de S. Joaquim, em Beduído, destinada a família carenciada.
– A ASE passa a integrar a Comissão Social da Freguesia de Avanca.

2010
– A ASE promoveu uma homenagem ao Eng. Washington Dantas Ribeiro, Director da Dow Portugal.
– Recuperação e ampliação da casa na Saltoa, em Pardilhó.

– Recuperação de casa no lugar do Casal, em Salreu.
– ASE tornou-se parceira da Misericórdia de Estarreja no Projecto BIG – Base para a Igualdade de Género, promovido pela referida Irmandade.
– Distribuição de bens do PCAAC – Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados e do BACF – Banco Alimentar Contra a Fome (Aveiro), contemplando em conjunto um universo de 127 famílias, no total de 399 utentes.
– Durante o ano de 2010 o Gabinete de Atendimento/Acompanhamento Social da ASE teve a seu cargo 255 Processos (160 de Acção Social e 95 de Rendimento Social de Inserção), num total de 961 utentes.

2011
– Concluídas as obras de recuperação e ampliação de casa na Saltoa, em Pardilhó.
2012
– Assinado um “Acordo de Ajuda Alimentar” com o BACF – Banco Alimentar Contra a Fome (Aveiro), que definiu os respetivos direitos e obrigações, formalizando a cooperação já existente entre ambas as entidades.
– Registo da ASE na “Bolsa do Voluntariado” da ENTRAJUDA – Apoio a Instituições de Solidariedade Social.
– A ASE esteve presente no Programa “A Tarde É Sua”, da TVI, apresentado por Fátima Lopes.
– Distribuição de “kits” de material escolar provenientes do Banco de Bens Doados da ENTRAJUDA a crianças de famílias acompanhadas pela instituição.
– Conclusão das obras de recuperação da casa nº 88, em Areia, Avanca.

2013
– Obras de manutenção e beneficiação exterior dos blocos habitacionais 218, 220, 222 e 224 da Urbanização da Teixugueira
– PACOPAR – Painel Consultivo Comunitário do Programa Atuação Responsável é constituído Sócio Honorário desta instituição, uma vez que os donativos provenientes do PACOPAR e Dow Portugal, recebidos entre 2007 e 2012, representaram 85,25% da totalidade dos apoios recebidos nesse período.
– Maria Lisete Simões Vidal, é constituída Sócia Honorária da ASE, por proposta do Presidente da Assembleia Geral, António Luís Ferreira, fruto da colaboração por si prestada na elaboração das candidaturas desta instituição aos apoios financeiros do PACOPAR.

– Foram distribuídos 1123 cabazes de géneros alimentares a pessoas carenciadas.

 

2015

– Obras de manutenção e beneficiação exterior dos blocos habitacionais 226, 228, 230 e 232 da Urbanização da Teixugueira.

– São aprovados os novos Estatutos da ASE em Assembleia Geral de 29 de Setembro de 2015.

– Foram distribuídos 649 cabazes com produtos recebidos do BACF – Banco Alimentar Contra a Fome e do FEAC – Fundo Europeu de Auxílio a Carenciados

 

2016

– Recuperação de casa nº 3 do Bairro da Brejinha

– Pintura exterior das seis casas do Bairro da Brejinha

– A 1 de Abril de 2016, a ASE integra o Consórcio promotor do Programa ESTA Integra E6, que faz parte do programa nacional Escolhas, direcionado à comunidade cigana, que tem como missão promover a inclusão social de crianças e jovens de contextos socioeconómicos vulneráveis, visando a igualdade de oportunidades e o reforço da coesão social. O programa é promovido pela Câmara Municipal de Estarreja, cabendo a sua gestão ao Centro Paroquial e Social de Santa Marinha de Avanca. O Consórcio é formado pelo Agrupamento de Escolas de Estarreja, Comissão de Crianças e Jovens de Estarreja, Cerciesta, ASE- Associação de Solidariedade Estarrejense e Junta de Freguesia de Avanca.

– Em 6 de Maio de 2016 são eleitos os novos órgãos sociais, que tomam posse no dia 21 seguinte. Pela primeira vez na história da ASE, Alberto Vidal, com 86 anos, deixa a presidência da direção que passa a ser assumida por Marisa Macedo, passando o primeiro a vice-presidente.

– No âmbito do Programa ESTA Integra, a ASE, entre 13 de Julho e 31 Dezembro de 2016, levou a cabo a identificação da totalidade da população cigana do concelho de Estarreja. Foram realizados 105 Inquéritos por Questionário, um por cada agregado familiar. Foram identificados 419 indivíduos, sendo 198 do sexo feminino e 221 do sexo masculino.

Foram distribuídos 935 cabazes com produtos recebidos do BACF – Banco Alimentar Contra a Fome. Neste ano, o FEAC não distribui alimentos.

 

2017

– Em Março, a ASE celebra Protocolo de Parceria com o Centro Paroquial e Social de Santa Marinha de Avanca, Centro Paroquial de Assistência da Freguesia de Pardilhó e Centro Social e Paroquial de Santa Maria da Murtosa, com vista a apresentação de candidatura ao PO APMC – Programa Operacional de Apoio às Pessoas Mais Carenciadas, que prevê a distribuição de géneros alimentares no território de Estarreja e Murtosa.

– O logotipo da ASE é redefinido pelo Arq António Bernardes, com total respeito pelo original, criado em 1979

– Inauguração do novo site da ASE, com ligação à rede social Facebook

– A partir de Junho, a comunicação passa a ser realizada, preferencialmente, por correio electrónico.

– No início de Julho será inaugurado o novo local de atendimento/ acompanhamento de famílias carenciadas localizado no centro de Estarreja, na Rua Dr Souto Alves, nº 47.